Mostrando postagens com marcador Academia de Belas-Artes de São Petersburgo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Academia de Belas-Artes de São Petersburgo. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 13 de junho de 2017

Do pensamento simbolista, surge o ‘Mundo da Arte’


"Membros do movimento Mundo da Arte", pintura de Boris Kustodiev, 1916-1920
O grupo de artistas e intelectuais que se uniu no que ficou conhecido como “Mundo da Arte” (Mir Iskusstva, em russo), foi contemporâneo e bastante semelhante aos pintores simbolistas franceses, conhecido como “Les Nabis”. É o que aponta a pesquisadora Camilla Gray em seu livro “O grande experimento. Arte russa.”, que também narra:

“Emergiu de uma sociedade de colegiais, o ‘Pickwickianos do Neva’, que se tinha transformado numa ‘sociedade para a auto-educação’ sob a liderança de Alexander Benois em fins de 1880. A escola que todos frequentavam, o Colégio May, era uma instituição privada de classe média alta para os filhos da intelligentsia abastada de São Petersburgo, muitos dos quais de ascendência estrangeira”.

Era este o perfil dos membros do grupo que surgiu como um movimento no começo dos anos 1890, também paralelo ao movimento “Art-Nouveau” europeu. Eles desejavam representar “a vanguarda artística na Rússia” no final do século XIX e começo do XX. Era uma sociedade, que organizava exposições e depois editou uma revista.

Os artistas deste grupo - desenhistas, escritores, poetas e pintores - queriam influenciar a sociedade “e inspirar nela uma atitude desejável para com a arte - arte entendida em seu sentido mais amplo, o que vale dizer: incluindo literatura e música”.

"Alexander Benois", por Leon Bakst, 1898
Um de seus principais líderes foi Alexander Benois (1870-1960), desenhista teatral, produtor, crítico e historiador de arte. Nasceu em São Petersburgo, de família com ascendência alemã, francesa e italiana, e que pertencia a uma colônia estrangeira em São Petersburgo, criada na época em que o czar Pedro, o Grande, tinha trazido artistas do Ocidente para a Rússia, com o fim de ocidentalizar a cultura local, no século XVII.

A família Benois teve uma sucessão de artistas talentosos (incluindo arquitetos) que haviam dado uma grande contribuição à ocidentalização da Rússia. Os Benois não simpatizavam com as ideias de valorizar a cultura russa original, que consideravam bárbara e provinciana “e ao contrário de seus contemporâneos, seus membros não se desligaram do Ocidente”. Pelo contrário, por suas origens europeias, acompanhavam as ideias contemporâneas francesas e alemãs, assim como as italianas. Benois frequentou por apenas um ano as aulas de desenho - seu único aprendizado em arte - na Academia de Belas-Artes de São Petersburgo. 

Esta faceta internacional era a característica básica de o Mundo da Arte. Traziam a ideia da “arte como salvação da humanidade, o artista como sacerdote dedicado, e sua arte o caminho da verdade e beleza eternos.” O Mundo da Arte queria restaurar na Rússia a cultura que havia se perdido durante o período em que o movimento “Os Errantes”  (leia mais aqui) influenciou artistas e intelectuais russos. 

“Seu alvo era criar na Rússia um centro essencialmente internacional que contribuiria, pela primeira vez, com a corrente principal da cultura Ocidental.”

Retomaram o estudo das ideias alemãs, francesas e inglesas e fizeram uma reaproximação com o legado das reformas feitas por Pedro o Grande e por Catarina, que tinha sido totalmente desprezado pelos “Os Errantes”. 

Entre os “Pickwicknianos do Neva” (os fundadores do Mundo da Arte), estavam Dmitri Filosofov, Konstantin Somov e Walter Nuvel. Dmitri “Filosofov era um rapaz bonito e elegante”, filho de um importante membro do governo, um aristocrata - “era escritor, mas não muito criativo” - apresentou ao grupo o escritor Dimitri Merezhkovsky, “pensador religioso simbolista que contribuiu com a veia mística para as discussões do grupo.” Os membros do grupo se reuniam quase todos os dias, após as aulas, na casa de Benois. 

Revezavam-se em palestras, interrompidas por constantes risadas e gracejos, que as frequentes chamadas à ordem de Benois, sacudindo o sino de bronze da mãe, não conseguiam dominar totalmente”. Falava-se especialmente sobre artistas alemães, de Dürer a Liebermann e Corinth. Benois escreveu mais tarde que, nessa época, os impressionistas franceses não eram conhecidos na Rússia, sendo introduzidos somente após as exposições do Mundo da Arte no começo do século XX. Ele dizia que o livro de Émile Zola “A obra”, publicado em 1918, foi a primeira fonte de ideias impressionistas na Rússia.

Benois conheceu na Academia o estudante de arte Lev Rosenberg, que era pintor e desenhista teatral, mas cujo nome artístico ficou Leon Bakst, em homenagem ao avô. Apesar de ser o único que tinha origem mais pobre, Bakst se tornou líder do grupo e seu primeiro artista profissional - era dos “mais ferrenhos propagandistas do anti-academicismo, pois havia experimentado em primeira mão o frequente preconceito acadêmico contra qualquer coisa que ultrapassasse a fórmula tradicional”. 

Antes, ele também tinha sido aluno de Pavel Chistyakov e estava plenamente convencido do valor do realismo na pintura. Havia feito uma madona como uma velha de olhos vermelhos, vertendo lágrimas sobre o filho morto. Esta tela estava participando de um concurso com o tema “Pietá”. Quando Bakst foi chamado pelo júri, viu sua tela riscada com duas linhas de giz. Ficou furioso! Resolveu, depois disso, se juntar ao grupo Mundo da Arte por sua posição radical contra a Academia (mas que também era contra “Os Errantes”).

No final dos anos 1890, chegou a São Petersburgo um primo de Filosofov, Sergei Diaghilev, que logo foi apresentado ao grupo, com o qual não se identificou de imediato, comparecendo às reuniões com pouca frequência.

Após a formação escolar no Colégio May, a maioria dos alunos, como era de costume, foi para a Europa passar um ano, antes de entrar na Universidade de São Petersburgo: Benois tinha ido para a Alemanha, para se familiarizar com a arte contemporânea de Munique; Filosofov e Diaghilev tinham ido para Paris e voltaram bastante impressionados com as obras de Zuloaga, Puvis de Chavannes e do pintor escandinavo Anders Zorn.

Em 1893, um diplomata francês, Charles Birlé, que estava a serviço do consulado francês em São Petersburgo, foi apresentado aos “Pickwicknianos do Neva”, com quem ficou durante um ano e apresentou a eles os impressionistas franceses, em especial Gauguin, Seurat e Van Gogh.

Sergei Diaghilev era o menos criativo de todos do grupo, mas o mais prático. Por isso, logo que surgiu a ideia de publicar uma revista, como nenhum dos outros tinha aptidão prática para coordenar uma empresa como esta, o escolhido foi Diaghilev, que também era o responsável pela organização das exposições de arte. Em 1895 ele havia ido ao exterior e adquirido muitas pinturas para sua coleção.

O ano de 1896 foi um ano de dispersão do grupo. Benois, formado na universidade e casado, mudou-se para Paris, assim como outros que também foram para o estrangeiro.

Mas em 1897, Diaghilev retomou o grupo e organizou duas exposições: “Aquarelas inglesas e alemãs” e “Pintores escandinavos”. Em 1898 organizou a “Mostra de pintores russos e finlandeses”. Estas exposições foram grandes eventos artísticos e marcaram o Mundo da Arte como uma “sociedade de exposições”. 

Resolveram que era chegada a hora de ter uma revista, também intitulada Mundo da Arte. Mais uma vez o papel de organizador principal coube a Sergei Diaghilev, que, aliás, não era artista. Mas como o custo de produção era muito alto, procuraram o apoio da princesa Tenisheva, que tinha um centro de artes instalado em sua propriedade e era muito amiga de Benois; assim como o de Sava Mamontov, que havia se recuperado da falência e dirigia uma indústria cerâmica. O primeiro número de Mundo da Arte saiu em 1898, uma edição caprichada, que levou um ano para ser produzida, com clichés feitos na Alemanha.

Benois havia voltado de Paris e escreveu dois artigos iniciais: sobre os impressionistas franceses e sobre o pintor alemão medieval Pieter Brueghel. Este último artigo foi recusado, por não ser “suficientemente moderno”.

O grupo já havia se dividido em duas visões distintas: uma de esquerda, que “eram pelo ‘novo’ acima de tudo, e que, por princípio, atacavam tudo o que consideravam limitado, provinciano ou antiquado”; outros membros se posicionavam mais à direita, eram conservadores.

Na revista, Filosofov também publicou textos de representantes da primeira geração de simbolistas da literatura russa. 

Capa da revista Mundo da Arte, 1899,
por Jelena Dmitrijewna Polenowa
O Mundo da Arte, observa Gray, “inspirava-se na ideia de uma arte que existisse autonomamente, não subserviente a um tema de propaganda religioso, político ou social. (...) A Arte era vista como uma forma de experiência mística, um meio através do qual a beleza eterna poderia ser expressa e comunicada - quase um tipo novo de religião.”

O Simbolismo estava em alta em vários países da Europa Ocidental, como a França, e também tinha alcançado a Rússia. Na literatura, os escritores religiosos Merezhkovsky e Rosanov eram comparados aos franceses Baudelaire, Verlaine e Mallarmé.

No primeiro número da revista, incluiu-se ilustrações dos artistas do “Art-Nouveau” de vários países. Entre eles, os franceses Puvis de Chavannes (que teve muitos seguidores na Rússia), Monet e Degas. 

No último ano de publicação da revista, em 1904, ela se voltou mais para os artistas franceses, publicando-se nela imagens de obras pós-impressionistas. Mas os membros do grupo também nutriam ainda mais simpatia para com os artistas secessionistas de Viena, Böcklin e da Escola de Munique. O grupo publicou o último número da revista Mundo da Arte com a certeza de que havia cumprido o papel de restabelecer contato com a vanguarda artística europeia ocidental, preparando o terreno para uma “cultura internacional” na Rússia. 

Eles também haviam se voltado para a moda francesa recente de admirar a arte folclórica e primitiva, coisa que já havia atraído o interesse dos artistas do Círculo de Mamontov

“Contatos entre o movimento nativo de Moscou e o trabalho de Gauguin, Cézanne, Picasso e Matisse começaram em 1904 e continuando até 1914. Seu trabalho foi marcado por uma sucessão de exposições históricas, continuação lógica do movimento Mundo da Arte”.

Desde a exposição de 1900, as mostras de arte do grupo se voltaram mais para os artistas russos. Mas “havia duas tendências nesse estilo novo que poderiam ser, grosso modo, definidas como as escolas de S. Petersburgo e a de Moscou: a escola da linha e a escola da cor.” Falaremos delas mais abaixo.

Da escola de São Petersburgo, com artistas mais jovens, estavam: Benois, Somov, Lanseray, Dobuzhinsky e Bakst. Da escola de Moscou: Igor Grabar, Pavel Kusnetsov, Utkin, os irmãos Miliuti Sapunov e os líderes da futura vanguarda da década seguinte Larionov e Goncharova, que participaram pela primeira vez de uma exposição do Mundo da Arte em 1906. 

Tendo saído do movimento, Sergei Diaghilev a partir de 1905 passou a organizar por conta própria eventos que elevassem a arte e a cultura russa ao status merecido, dentro e fora da Rússia. Realizou em primeiro lugar uma exposição de pinturas de retratos do século XVIII, “o que significava recolher e juntar obras de arte completamente esquecidas e desprezadas, de remotas casas de campo do país inteiro.” Foi o que ele fez. O resultado foi brilhante. A exposição aconteceu no Palácio Taurida em São Petersburgo, e na inauguração estava o czar Nicolau II (lembremos que este foi o ano da primeira grande revolução que abalou o Império russo, e terminou com o assassinato em massa de uma manifestação de trabalhadores, executado pelas forças czaristas. O episódio ficou conhecido como “domingo sangrento”. Camilla Gray se cala sobre isso...)

Em 1906, Diaghilev organizou a seção de arte russa no Salon d’Automne em Paris, no Grand Palais. Eram 12 salas dedicadas à arte e cultura russas e a montagem foi organizada por Bakst. Foi uma mostra bastante ampla, apresentando desde a pintura de ícones a exemplos de todos os períodos da arte russa - com exceção das obras dos artistas do grupo “Os Errantes”. Foi desta exposição que participaram Mikhail Larionov e Natalia Goncharova.

Diaghilev também levou para Paris uma apresentação do “Balé russo” em 1909, que se apresentou no Teatro Châtelet e teve grande sucesso. Até 1914, Diaghilev levou anualmente a Paris alguma mostra ou apresentação musical:

“em que se pode localizar os vários temperamentos e linguagens que iriam compor o ‘Mundo da Arte’: o ressurgimento clássico favorecido por Benois; Roerich e a evocação de remotas culturas pagãs por Igor Stravinsky; o ressurgimento helenístico, refletido nos desenhos de Bakst (...); o impressionismo ornamental-decorativo de Golovin na tradição de Vrubel; os desenhos impressionistas de Korovin; e nos últimos desenhos de Larionov e Goncharova que, não só recuperam, em seus coloridos brilhantes e motivos formais, o retorno à arte folclórica dos artistas de Abramtsevo, mas antecipam o movimento futurista na pintura do qual eles foram os pioneiros na Rússia”
"O fantasma", Victor Borissov-Mussatov, 1903
O pintor mais importante desse período inicial da arte moderna russa, depois de Vrubel, foi Victor Borissov-Mussatov (1870-1905). Natural de Saratov, no Volga oriental, que era o principal centro de arte de província desta época até 1920. O Museu de Saratov ostentava uma coleção bastante erudita para a época e Mussatov , ainda criança, passou a frequentar as aulas de desenho no Museu. Foi depois para a Faculdade de Pintura, Escultura e Arquitetura de Moscou. Em 1891 transferiu-se para a Academia de Belas Artes de São Petersburgo, sendo um dos últimos alunos a estudar com Pavel Chistyakov.

Em 1895 foi para Paris, trabalhando durante 4 anos no estúdio de Gustave Moreau “famoso por sua breve acolhida aos futuros pintores ‘fauves’”. Mas seu interesse principal foi pela obra de Puvis de Chavannes e por causa dele,Mussatov passou a trabalhar num estilo “historicista”: seu fascínio pelo passado foi uma constante em seu trabalho, “o momento irrecuperavelmente perdido do qual ele parece lamentar-se para sempre”. Ele tornou a figura humana mais distante e misteriosa “uma visão secreta e ensimesmada da existência.”

Em 1895, morre Gustave Moreau e Mussatov volta à Rússia, indo para sua terra natal, Saratov. Um proprietário de terras cedeu a ele um parque abandonado com uma casa velha de estilo clássico, com colunas brancas e cúpulas arrendondadas, que aparecem várias vezes em seu trabalho. “Os azuis suaves e os verdes acinzentados, que Mussatov sempre usou, são as cores dos simbolistas por excelência”, observa Camilla Gray.

Os estilos pictóricos de São Petersburgo e Moscou

SÃO PETERSBURGO
MOSCOU
Ênfase na linha
Ênfase na cor
Influência dos cenários do teatro sobre a pintura de cavalete
Novas maneiras de criar o espaço, sem se ligar na perspectiva
Passaram das formas fechadas a formas abertas, rejeitando a modelagem tradicional
Sentimento simbolista
O sentido da distância se sobrepunha ao explícito senso de distância entre o espectador e o mundo
“o intangível, o misterioso, e não o defnido e compreendido, representam a realidade mais profunda”

O uso de silhuetas mais exageradas, que se pareciam mais a caricaturas do que figuras humanas, exibidas de perfil ou de costas para o espectador
Influência dos impressionistas franceses
Redução da figura humana a uma forma apenas ornamental-decorativa
Uso de cores lisas em tudo, como na pintura de ícones
Eloquência da linha divorciada da cor e da forma
distanciamento do realismo na cor e na forma
..................................................
Referência bibliográfica:
Gray, Camilla. O grande experimento. Arte russa. 1863-1922. São Paulo: Worldwhitewall Editora Ltda, 2004

"A senhora na cadeira de balanço" (esboço para um filme não realizado),
Mussatov, 1897
"A carta de amor", Konstantin Somov, 1911
"Tipos da cidade", Mstislav Dobuzhinsky, 1915 
"Nemetskaya", Alexander Benois, 1911
"Elizabeth Petrovna", Eugene Lanceray, 1905

terça-feira, 11 de abril de 2017

A Academia de Belas-Artes de São Petersburgo


Academia de Belas-Artes de São Petersburgo
Buscando as raízes do movimento artístico moderno russo, vamos fazer uma passagem pela história da importante Academia de Belas-Artes de São Petersburgo.

Em meio ao século XVIII a Rússia ainda era percebida - pelos europeus - como uma potência bárbara incapaz de produzir alguma forma de arte “evoluída”. O professor Basile Baudez da Universidade da Sorbonne, Paris, afirma, em seu artigo, que logo no começo do século XIX a situação era absolutamente diferente e certos historiadores franceses do final daquele século, como Emile Veuclin, atribuiam isso à “influência benéfica da civilização francesa”. Ao contrário dele, os pesquisadores soviéticos preferiam falar dos efeitos nefastos da preponderância da arte francesa na arte da Rússia naquele período. O fato é que, desde Pedro, o Grande, foi crescente a influência da cultura francesa sobre a cultura russa, coisa que deu origem às querelas entre “eslavófilos” e “ocidentalistas” dentro do próprio país russo. Falaremos disto em outro momento. Mas todos concordam em encontrar as fontes da arte moderna russa na Academia de Belas-Artes de São Petersburgo.

Desenho da Academia
de Belas-Artes de São Petersburgo
Mas o que é o conceito de Academia? - se pergunta Basile Baudez. Nascido durante o Renascimento Italiano no século XV, a “academia” era um local de estudos e formação artística, como a “Accademia del Disegno” de Florença. Se inspirava também no conceito clássico, retratado pela pintura de Rafael, a "Escola de Atenas". Desde então, o que caracteriza basicamente a academia é a convicção do papel central, primordial, do desenho e “a afirmação do caráter intelectual da atividade artística”. Até então, o pintor ou escultor era visto apenas como um artesão, um trabalhador manual. A partir do Renascimento teve seu papel elevado ao do intelectual, do pensador. Esta e outras teses da academia italiana alcançaram sucesso dentro da França a partir do século XVII. Mas, diz Baudez, a função de ensinar “não era a principal preocupação dos fundadores da Academia Real de Pintura e Escultura francesa, apesar do que se poderia pensar”. Mas foi o que fizeram muitas academias fundadas no século XVIII, dizendo-se seguir o modelo francês.

A própria arquitetura dos prédios das academias expressava aquele pensamento clássico. O modelo arquitetural deveria se inspirar no antigo panteão romano, com colunas paralelas sustentando um frontão triangular. Os espaços pedagógicos somente ao longo do tempo foram ganhando importância e amplitude. Foi seguindo esta tradição que o arquiteto Vallin de La Mothe concebeu o edifício de São Petersburgo em 1763.

As reformas de Pedro o Grande, imperador russo, se estenderam a todos os domínios da vida naquele país, mas em especial em relação à educação e à cultura. “Os primeiros projetos da Academia de Belas Artes nasceu sob seu reinado”, diz Baudez.

Mesmo antes da criação da Academia de Belas-Artes, algumas escolas de ensino normal ensinavam os fundamentos de desenho e de pintura a seus alunos, antes de 1757. Até mesmo a escola de formação do Corpo de Cadetes, criada em 1731, ensinava desenho como último estágio da formação cultural militar. Alguns raros ateliês, que existiam porque seus pintores eram empregados da Corte, também ensinavam pintura e desenho. Enquanto isso, a pintura de ícones (veja os posts anteriores sobre este tema) continuava muito viva até o século XVIII.

O prédio original fundado em 1725, se denominou “Academia de Ciências” de São Petersburgo. Só em 1747 passou a se chamar “Academia de Ciências e Belas-Artes”, que dispunha de um curso de desenho. O departamento de Gravura se manteve com sucesso ao longo de todo o século XVIII, por causa das necessidades editoriais da Academia de Ciências, em especial durante o período em que realizou o trabalho de cartografia do império.

Estudo feito na Academia
Os meados do século XVIII foram, então, um período “extremamente favorável” para o florescimento da arte ocidental na Rússia. A nobreza e outros segmentos mais elitizados começaram a viajar ao exterior e a encomendar obras de arte ou construção de edifícios. Entre 1756 e 1762 houve uma verdadeira invasão dos modos franceses na aristocracia russa, que se espalhou para a esfera política. “É neste contexto que a Academia de Belas Artes foi fundada”, acrescenta Basile Baudez.

Ivan Chouvalov foi o fundador da primeira universidade civil do império russo, a Universidade de Moscou. Ele era o protegido da imperatriz Elisabeth Petrovna e amigo do poeta Mikhail Lomonossov. Os dois procuravam dotar a Rússia de instituições de ensino superior segundo o modelo das universidade do mundo germânico. 

A Academia de Belas-Artes, fundada em 4 de novembro de 1757, deveria permitir ao país produzir as obras de arte e os objetos de luxo que eram importados do estrangeiro a grandes custos. Foi construída na ilha Vassilievsky, que já reunia a escola do Corpo de Cadetes e a Academia de Ciências. Os primeiros estudantes, que tinham entre 13 e 20 anos de idade, ou vinham da Universidade de Moscou, ou eram enviados pela Corte ou foram escolhidos entre as crianças da vizinhança. Tinham, portanto, vários níveis de formação. Já os professores eram escolhidos entre os melhores que tivessem se formado nas Academias de Paris ou de Roma.

Uma sala com modelos para estudo
Em março de 1763, Ivan Chouchalov torna-se o diretor da Academia, indicado por Ivan Betskoï, o idealizador de um vasto plano de reforma do ensino secundário russo, desejado pela nova imperatriz Catarina II. Seguindo o modelo de outras escolas de Moscou e São Petersburgo, a Academia de Belas-Artes passou a aceitar como alunos crianças de apenas seis anos, educando-as nos métodos inspirados nas filosofias de Locke e Rousseau. Em linha com os princípios de Pedro o Grande, Ivan Betskoï procurava criar uma nova cultura na sociedade russa, rompendo com o passado bárbaro e inculto. 

Catarina surge, então, como a verdadeira fundadora da Academia, em 1764. Catarina a Grande, ofereceu grandes privilégios à academia, visando com isso assegurar à instituição autonomia jurídica e financeira. Ao mesmo tempo, liberdade de ação, coisa muito importante para os membros daquela escola naqueles meados de século. Ao colocar os acadêmicos em níveis tão elevados, dava ao artista formado naquela escola um grande status.

A direção da escola era gerida pelo Diretor, escolhido pelo imperador, mas também era gerida pela Assembleia Acadêmica, pouco convocada, e por um Conselho composto pelo diretor, pelo secretário de conferências e por professores de artes liberais. Não havia representação estudantil.

A instituição dispunha de ajuda financeira anual que alcançava 60 mil rublos, dinheiro este que não era controlado e que levou a escola a períodos de deficit de recursos, que chegaram a ameaçar seu funcionamento no final dos anos 1760.

Seus cerca de 300 alunos e 60 funcionários e professores viviam no local. Os alunos mais velhos moravam com seus mestres em apartamentos disponibilizados pela Academia. Todos tinham uniforme e faziam as refeições juntos. A disciplina era rigorosa.

Inauguração da Academia, pintura a óleo de Valery Jacobi
Mas o ambiente também era muito propício para que surgissem lideranças entre eles, que organizavam desde grupos de teatro amador a concertos de música. A música ocupava um lugar importante entre os alunos, o que acabou despertando vocações entre vários que se tornaram compositores de renome. Os líderes estudantis também incentivavam qualquer iniciativa artística ou de trabalhos manuais, mesmo se estavam fora da grade de matérias originalmente definida.

A Academia de Belas-Artes contava com fãs na aristocracia russa ou estrangeira e isso permitia estabelecer ligações com artistas europeus, favorecendo a venda de trabalhos de alunos ou professores e reproduções de sua coleção de pinturas.

A partir de 1764, a Academia, a cada três anos, abria inscrições para novos alunos entre 5 ou 6 anos de idade. O desejo inicial de Ivan Betskoï de somente aceitar alunos russos pobres foi respeitado. A imensa maioria entre eles era feita de filhos de simples soldados, camponeses, artesãos ou pequenos funcionários. Um dos objetivos da Academia de Belas Artes era permitir a formação intelectual e artística que fizesse diferença na sociedade russa, diz Baudez.

Desenho de Nicolai Fechin
O curso completo durava 15 anos, distribuídos em cinco fases de três anos. Nos três primeiros, os alunos eram introduzidos gradualmente ao desenho. Com a idade de doze anos eles tinham que escolher que caminho seguir, como a Pintura, por exemplo. “Junto com o ensino geral, particularmente focado no estudo de línguas estrangeiras, os alunos recebiam uma educação completa, que tinha como objetivo formar cidadãos e homens capazes de evoluir em círculos cosmopolitas da nova Rússia”, continua o professor da Sorbonne.

Mas diferenças ideológicas surgiam e foram crescendo até atingir o paroxismo no final dos anos 1780, quando a guerra entre os defensores da educação francesa e os que defendiam a cultura russa chegou ao fim com a vitória destes últimos, que contavam com o apoio do diretor Ivan Betskoï e do escritor Iakov Kniajnine. O Conselho da Academia passou a não aceitar mais professores estrangeiros, que foram sendo substituídos por russos. O ensino de línguas estrangeiras foi abolido e substituído por curso de Literatura e História Russa. A Academia era parte do movimento patriótico que atingiu seu momento máximo nos primeiros anos do século XIX.

O método de ensino era comum à maioria das academias. O estudantes seguiam cursos regulares de desenho e de anatomia. Eles se beneficiavam de uma importante coleção de obras de arte, doadas por alguns indivíduos, mas também da coleção de Ivan Chouchalov, desenhos da coleção de Ivan Betskoï e de obras de arte doadas pela nobreza.

Mas a fama da Academia era baseada em sua coleção de modelos de esculturas romanas antigas enviadas de Roma desde 1758, além de uma biblioteca que continha no final do século mais de 1500 originais, 4.500 cópias e mais de 7.000 desenhos e esboços arquitetônicos, disponíveis para alunos e professores, ao contrário do que aconteceu em Paris.

Autorretrato de
Ivan Kramskoi
O sistema de competição entre os alunos se inspirava na academia de Paris. No entanto, a atenção pessoal dada a cada aluno era característica da academia russa. A educação foi dada até 1770 por professores estrangeiros que mesmo assim incentivavam o espírito patriótico em seus alunos, oferecendo apenas os temas ligados a seu país.

Num segundo período, quando antigos residentes russos retornaram de Paris e Roma, eles adaptaram as antiguidades romanas ao amor russo pelos ornamentos e pelas coisas grandiosas.

Outra peculiaridade da Academia de São Petersburgo é a de ter oferecido aos estudantes que não puderam entrar nas aulas de arte, o aprendizado de algum ofício ensinado por mestres artesãos empregados e abrigados pela instituição.

No fim do ciclo de estudos, os melhores alunos - não só em termos de qualidade, mas também de comportamento - eram enviados a Paris para se formar com aqueles que os acadêmicos consideravam como os melhores artistas da Europa. E também à Roma, para conhecer as grandes obras de arte e seus mestres italianos. Os alunos tinham que fazer, a cada três meses, relatórios de seus trabalhos, que representariam o que de mais completo a Rússia possuía em termos de pensamento e de produção de arte.

Retrato de Tolstoi, cópia feita por mim
em óleo sobre papel a partir da pintura
original de Ilya Repin
Mas apesar do sucesso encontrado em sua formação, considerada a melhor do império, a Academia não conseguia encontrar mercado suficientemente grande e dar suporte que garantisse a seus alunos uma carreira artística. Um deles, conta o professor Baudez, Anton Losenko, morreu na miséria por falta de encomendas... Mas, apesar disso, a Academia de Belas Artes de São Petersburgo inicia o século XIX como a maior autoridade no campo da arte.

Em uma cidade ainda nova como São Petersburgo, dentro da imagem para a sociedade que seus fundadores lhe queriam atribuir, a Academia de Belas-Artes representou o apogeu do movimento acadêmico, tanto na sua realização arquitetônica quanto em seus objetivos educacionais. Seus membros acreditavam no poder da educação como capaz de transformar simples filhos de soldados ou camponeses sem instrução em artistas que pudessem competir com os melhores mestres das nações europeias.

Em meados do século XIX, os acadêmicos russos bastante influenciados pelos franceses - em especial por Ingres -  começaram a ser contestados por uma nova geração de artistas, formados na academia, mas que queriam ter liberdade para pintar temas realistas e ligados a seu país. Este primeiro movimento foi intitulado de “Os andarilhos” e foi inicialmente dirigido pelo pintor Ivan Kramskoi, cuja qualidade de sua pintura pude averiguar pessoalmente há poucos dias em Londres, numa exposição de arte russa na Royal Academy of Art. 

Em 9 de novembro de 1863, considerado como o dia da "Revolta dos Quatorze", Ivan Kramskoi iniciou o movimento de artistas realistas que, como Ilya Repin e Mikhail Vroubel, passaram a viajar por diferentes cidades russas fazendo exposições de suas obras.

Após a Revolução Russa de 1917, a Academia passou também por algumas transformações. Em 1933 foi denominada “Academia Russa de Belas Artes” e, em 1947, “Academia de Belas Artes da União Soviética”, voltando a se chamar “Academia Russa de Belas Artes”, em 1991. Atualmente, é uma escola de extensão universitária e se intitula “Instituto de Pintura, Escultura e Arquitetura Ilya Repin”. Mas popularmente nunca deixou de ser chamada "Academia de Belas-Artes de São Petersburgo".


Referências bibliográficas:
- L’académie impériale des beaux-arts de Saint Pétersbourg, du Moujik à l’artiste, Basile Baudez, 2000
- História Concisa da Rússia, Paul Bushkovitch, 2015
- Tudo o que é sólido desmancha no ar, Marshall Berman, 1990
Academia de Belas-Artes, hoje Instituto Ilya Repin
Academia de Belas-Artes de São Petersburgo, século XIX